APOIO

PUBLICIDADE

Veiculação Prêmio CNHI WEBER SHANDWICK Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Deva Pascovicci

Deva Pascovicci

Dono de voz potente, transmitiu jogos esportivos para várias emissoras de rádio paulistas e mato-grossenses antes e depois de chegar à televisão. Passou pelos microfones da Manchete, SporTV, PFC e Fox Sports. Foi protagonista da primeira transmissão pelo sistema pay per view brasileira.

(Monte Aprazível/SP, 28 de setembro de 1965  La Unión/Colômbia, 29 de novembro de 2016)
 
Devair Pascoalon nasceu em Monte Aprazível (SP), no dia 28 de setembro de 1965. Adotou o nome Deva Pascovicci desde o início da carreira. Era chamado de Pavarotti pelos colegas que admiravam a potência tenorina de sua voz.
 
Começou como operador de áudio som na cidade natal. Em seguida foi locutor em São José do Rio Preto (SP). Passou por várias emissoras de rádio do interior paulista, além de Rondonópolis (MT) e Cuiabá (MT). Destacou-se na rádio Cultura de Jales (SP), narrando os jogos da equipe de basquete da cidade, o Ipê Jales. Em 1992, entrou na Rede Manchete (RJ), narrando eventos do A Grande Jogada, espaço dominical dedicado às transmissões esportivas de diversas modalidades. 
 
Em 1995, ingressou no SporTV/PFC (RJ), narrando jogos dos clubes paulistas nos principais campeonatos de futebol. Protagonizou a primeira transmissão de pay per view do Brasil. Cobriu os Jogos Olímpicos de 1996, 2000 e 2004, além das Copas do Mundo de Futebol de 1998 e 2002 pela emissora, onde ficou até 2005.
 
Voltou ao rádio em seguida, desta vez na CBN (SP), como narrador principal da emissora. Tornou-se um dos sócios e diretor das rádios CBN Grandes Lagos FM (SP), sediada em São José do Rio Preto, e Difusora/CBN AM, de Mirassol (SP). Sobreviveu a dois episódios de câncer, que lhe impediram de participar até o fim da cobertura da Copa do Mundo de Futebol da Alemanha 2006.
 
Desde fevereiro de 2016 era narrador esportivo da Fox Sports (RJ). Estava no voo que levava os jogadores da Associação Chapecoense de Futebol a Medellín (Colômbia) – onde a equipe catarinense disputaria o jogo de ida da final da Copa Sul-Americana contra o Club Atlético Nacional –, que caiu na madrugada de 29 de novembro de 2016 próximo ao aeroporto internacional da cidade, matando 71 pessoas, entre elas o locutor.
 
Possuia alguns bordões bem conhecidos no rádio paulista e brasileiro, como: Praaaaaaaaa... explodir de alegria! (quando um time marcava um gol); Preeeeeeeepare-se! (antes do início das partidas); Cara a cara, cara a cara, cara a caraaaaaa... (quando um jogador ficava livre, de frente com o goleiro adversário), e Não, não, não, não, não, não! (quando acontecia uma jogada ou lance muito feio).
 
 
Atualizado em novembro de 2016
 
Fontes:

Fiat_Institucional
Arama
Curso para Jornalistas
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)