APOIO

PUBLICIDADE

Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Fabiano Maisonnave

Fabiano Maisonnave

Correspondente da Folha de S.Paulo desde 2001, já cobriu quase todos os países da América, esteve na China, baseado em Pequim e tornou-se repórter especial. Viveu e relatou para a Folha momentos tensos da política internacional.

Fabiano Maisonnave é de Foz do Iguaçu (PR). É historiador formado pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (Fflch-USP/SP). Ganhou uma bolsa de estudos para fazer um mestrado em História nos Estados Unidos na Universidade de Connecticut, onde defendeu dissertação sobre imigrantes afro-brasileiros nos EUA.
 
Começou a colaborar com a Folha de S.Paulo durante a temporada americana. De volta ao Brasil, em 2001, foi correspondente do jornal em Campo Grande (MS). Na ocasião, recebeu duas ameaças de morte depois de denunciar uma rede de policiais que apoiava a reeleição do governador Zeca do PT. O clima pesado no Estado fez com que pedisse para trabalhar na sede em São Paulo (SP), uma cidade que definitivamente não o agrada.
 
Em 2004, foi enviado como correspondente bolsista do jornal em Washington (EUA). Em abril de 2007, aos 31 anos de idade, tornou-se o único correspondente brasileiro na Venezuela. Ficou inicialmente vivendo em um apartamento térreo no arborizado município de Chacao, vizinho à capital. Cobriu a não renovação, pelo governo de Hugo Chávez (1954-2013), do sinal da TV Radio Caracas Televisión, que deixou de transmitir sua programação e saiu do ar em 27 de maio de 2007, para dar lugar a uma emissora pública de TV.
 
Esteve várias vezes na Bolívia, Haiti, Colômbia e Equador, entre outros países, cobrindo seus principais conflitos. Em Porto Príncipe (Haiti), junto do fotógrafo Jorge Araújo, cobriu as eleições que mostraram ao mundo a falta de tudo, inclusive de dignidade, a que os haitianos estavam submetidos.
 
Foi, ainda, um dos nove jornalistas acampados na embaixada brasileira em Tegucigalpa (Honduras), em 2009, no episódio em que o presidente deposto Manuel Zelaya lá se refugiou, ficando isolado por quatro meses.
 
Ainda como correspondente, esteve em também na Tailândia e na China, baseado em Banguecoque e Pequim. Em fevereiro de 2013 deixou suas funções na China e se incorporou à equipe de repórteres especiais do jornal em São Paulo.
 
Fabiano Maisonnave segue em 2014 como correspondente em Pequim/China para a Folha de S.Paulo.  Assina a coluna ‘Vista Chinesa’ da Folha.com.
 
 
Atualizado em março/2014 – Portal dos Jornalistas
Fontes:
Arquivo Jornalistas&Cia
http://vistachinesa.blogfolha.uol.com.br/perfil/
 

Fiat_Institucional
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)