APOIO

PUBLICIDADE

Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Gilson Rebello

Gilson Rebello

Editor executivo do jornal Coletivo desde 2002. É autor de quatro obras premiadas, uma delas pela Academia Brasileira de Letras. Aposta nos jornais populares para fortalecer e manter viva a mídia impressa

Gilson da Silva Rebello nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 11 de fevereiro de1950. É formado em Direito pela Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas (Fbcj/RJ).

Trabalha como jornalista desde 1968, quando começou a carreira de repórter no Jornal dos Sports (RJ). Nos anos seguintes atuou nas editorias de Polícia, Esportes e Cidades dos jornais Diário de Notícias, O Dia, A Notícia, Última Hora, Jornal da Tarde e O Globo.

Entre 1977 e 1988 foi repórter especial do Estado de S.Paulo na sucursal do Rio. Entre 1988 e 1990, trabalhou como editor do jornal do Banco Nacional. Foi colunista do Jornal do Aposentado, com a coluna Banco de Praça de 1992 até 1995. Durante o mesmo período, atuou como assessor chefe do Ministério da Educação, oportunidade que o fez mudar-se do Rio de Janeiro para Brasília. Foi editor da revista Lida, do Ministério do Trabalho, durante os dois anos seguintes.

Desde 2002, assumiu a editoria executiva do Jornal Coletivo, que faz parte do grupo Mais Comunidade em Brasília.
 
Tem também uma carreira como escritor. Publicou Carne e Carnê, Cotidrama (Cátedra, 1976), A Guerrilha de Caparaó (Alfa-Omega, 1980), No Reino da Cachaça (Global, 1984), Associação Comercial do Rio de Janeiro – 150 anos de história (ACRJ, 1984), O Vilão da História (Campinas, 1987, com Leonardo Sant'Ana Rebello), Um Minuto para a Solidão (Achiamé, 1989), O Rio de Banca em Banca – A história dos jornaleiros do Rio de Janeiro (O Dia, 1992), O Personagem Principal (Expressão e Cultura, 1993) e O Brasil de Itamar (HMP, 1995).

Venceu o Prêmio Assis Chateaubriand 1993, da Academia Brasileira de Letras (ABL), na categoria Melhor Livro de Reportagens Literárias, por O Personagem Principal, e três Prêmios da União Brasileira de Escritores (UBE), em 1973 (Melhor Livro de Poesia, por Carne e Carnê), em 1977 (Melhor Romance, por Cotidrama) e em 1984 (Melhor Romance, por No Reino da Cachaça).



Atualizado em agosto de 2012 – Portal dos Jornalistas/MG
Fonte:
Informações fornecidas pelo próprio jornalista

Fiat_Institucional
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)