APOIO

PUBLICIDADE

Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Jotair Assad

Jotair Assad

Construiu a carreira em televisão. Depois de passar pela Tupi, Continental e Tv Rio, completou em 2012, 47 anos de atuação no jornalismo da TV Globo, onde é diretor. Fez parte da criação do Fantástico, da primeira equipe do Jornal Nacional e do Globo Repórter, do qual participou também da reformatação. Foi editor do Jornal da Globo.

Jotair Elias Assad nasceu em 7 de março de 1944, em Itabuna, Bahia. Começou a cursar Agronomia, mas, mudou-se para o Rio de Janeiro, antes da conclusão. No Rio inicialmente trabalhou numa agência de publicidade.

Construiu a carreira em televisão. Depois de passar pela Tupi, Continental e Tv Rio foi para a TV Globo em 1965, como produtor na central de jornalismo. Na emissora passou por vários cargos e participou da criação de programas como o Show da Cidade, Fantástico e de telejornais como o Jornal da Vanguarda, de noticiário político, o Jornal de Verdade.

De 1967 a 1969, foi editor do Jornal da Globo, em 1969, fez parte da primeira equipe de jornalistas do Jornal Nacional, um telejornal produzido e exibido pela Rede Globo desde sua estreia, em 1 de setembro de 1969. Em 1971 participou da produção do Jornal Hoje.

Dirigiu nos finais de ano os programas ‘Retrospectiva’ elencando os fatos mais importantes registrados durante o ano pelo jornalismo da TV Globo.

Em 1973, fez parte da primeira equipe do Globo Repórter, como editor, mas passou a diretor já na fase inicial do programa. Em 1986, o Globo Repórter iniciou uma nova fase, com reportagens mais longas. O primeiro programa nesse formato teve a direção de Jotair apresentou uma matéria especial mostrando as lendas e o povo da região do Rio São Francisco.

Em 1991, dirigiu um Globo Repórter premiado,sobre a violência no estado do Pará, Marcados Para Morrer, com reportagens de Domingos Meirelles, que lhe rendeu o prêmio Rei da Espanha de 1992. Em 2004, recebeu a menção honrosa no II Prêmio Alexandre Adler de Saúde pela direção da reportagem ‘O Brasil sem Médicos’ apresentada pelo Globo Repórter.

Nas várias reportagens que dirigiu, uma sobre forças sobrenaturais intrigou o repórter, o câmera e o próprio produtor. Em 2006 o repórter Luiz Carlos Azenha, acompanhado de Jotair, foi a São José do Rio Preto, no interior do estado de São Paulo, ouvir a Dona Ederlazil que se dizia capaz de desfazer maus olhados, de uma forma pouco tradicional. A espírita usava uma peneira cheia de algodão para manifestar objetos relacionados com o passado do ‘cliente’. O repórter Azenha foi o cliente. A dona Ederlazil além de vários objetos que fez materializar no algodão, retirou do umbigo do repórter um besouro que (segundo a vidente) representava um “mau olhado”. A reportagem foi para o ar, mas até hoje nenhum dos jornalistas participantes conseguiu ter certeza absoluta da veracidade dos fatos. Para Jotair Assad, que é espirita, aquela foi a terceira visita a dona Ederlazil. Em nenhuma delas ele conseguiu desvendar o mistério do algodão.

 

Atualizado em outubro/2012 – Portal dos Jornalistas

Fontes:

Depoimento concedido por Jotair Assad em 2008

http://www.eca.usp.br/pjbr/arquivos/index.htm

Fiat_Institucional
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)