APOIO

PUBLICIDADE

Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Liberato Vieira da Cunha

Liberato Vieira da Cunha

É um dos mais premiados jornalistas, cronistas e escritores gaúchos. Trabalhou por longos períodos nos jornais gaúchos Diário de Notícias, Correio do Povo e Zero Hora. É cronista deste último, editor-chefe do Jornal do Povo e do grupo de agronegócio 'Planeta Arroz'. Autor de nove livros de crônicas e contos. Entre outras premiações e títulos, recebeu dois Açorianos.

Liberato Vieira da Cunha nasceu em Cachoeira do Sul (RS) no dia 25 de maio de1945, em uma família de jornalistas.

Fez seus estudos primários e secundários nos colégios Nossa Senhora das Dores e Anchieta, em Porto Alegre e bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da UFRGS de Porto Alegre (RS). Possui especialização em Jornalismo avançado pela Universidade de Berlim (Alemanha) em 1982 e 1987.

Iniciou no jornalismo aos 14 anos de idade no extinto Diário de Notícias, na capital gaúcha, onde passou, segundo ele, por “uma verdadeira escola”. Ali começou como copidesque (revisor) e logo produziu as primeiras reportagens especiais para o Segundo Caderno, veiculado aos domingos, dos quais geralmente era responsável pela capa e a contracapa da publicação. “Interessante, pois tudo tinha que surgir da minha cabeça. Na época, não existia a figura do pauteiro”, lembra. No DN foi também redator, subsecretário de redação, secretário de redação, secretário gráfico, editorialista e editor nacional.

Liberato diz acreditar que consolidou sua carreira nos dois jornais de maior circulação de Porto Alegre, Correio do Povo e Zero Hora, onde atuou posteriormente e para os quais também foi correspondente internacional na Alemanha e nos Estados Unidos.

No Correio trabalhou por 15 anos, ainda quando pertencia ao grupo Caldas Júnior. Naquela redação, Liberato diz ter enfrentado o maior desafio da carreira, no final da década de 1960. Era uma terça-feira, quando o proprietário Breno Caldas o chamou para dizer que queria criar um caderno dominical de 16 páginas, com reportagens de variedades (páginas femininas, infantil, entre outras). “Aceitei na hora e perguntei: para quando? A resposta foi: ‘Para domingo, ora’. Na sexta-feira o caderno já estava fechado”, detalha. Na época, o suplemento chamado Especial D foi um sucesso espantoso entre os leitores.

Ainda na década de 1960, quando acumulava essas atividades com as do Jornal do Povo, em Cachoeira do Sul (RS), se destacou como jovem colunista do gênero de contos da página dominical Nova Geração e, posteriormente traçou uma ampla trajetória como cronista e se tornou um dos mais premiados jornalistas e escritores gaúchos.

Em 1984, logo após o fechamento do Correio do Povo, Liberato recebeu um telefonema de empresário Lauro Schirmer que o convidou para integrar o Zero Hora, aceitou e trabalhou nesta redação por mais 20 anos. Ali atuou nas funções de repórter, editor de política e cronista. Mesmo após deixar o dia a dia do jornal tornou-se cronista do Segundo Caderno do ZH por mais cinco anos e ainda (em 2013) permanece como colaborador do veículo.

A trajetória profissional do jornalista inclui ainda passagem como secretário de redação da Folha da Tarde, de Porto Alegre, lotado no serviço de imprensa da Secretaria de Educação gaúcho, e, em paralelo às atividades em veículos de comunicação, trabalhou por quase 30 anos na Fundação de Economia e Estatística (FEE), como responsável pela divulgação de matérias da instituição junto a veículos do interior do RS.

Nesse período, o cachoeirense dedicou-se também à carreira literária e, até 2013, escreveu as seguintes obras: Miss Falklands (crônicas e contos, Martins Livreiro Editora, 1983); Um hóspede na sacada (crônicas e contos, Editora Sulina, 1985); A mulher de violeta (crônicas e contos, Editora Tchê, 1990); As torrentes de Santaclara (romance, Editora Mercado Aberto, 1993 e 1998); Um visto para o Interior (crônicas, Editora Artes e Ofícios, 1996); A morte do violinista (contos, Editora Mercado Aberto, 1997); A Companhia da Solidão (crônicas, Editora L&PM, 2000); Tratado das Tentações (crônicas, Editora L&PM, 2002) e O Homem que colecionava Manhãs (Objetiva, 2004).

Reconhecido por seu estilo marcado pelo lirismo, nostalgia ou humor, o escritor participou das mais importantes antologias de autores gaúchos a partir dos anos 80, numa delas juntamente com escritores hispano-americanos, sem nunca deixar as atividades jornalísticas. Várias de suas crônicas e contos foram traduzidos em países da América Latina e tema de estudo na Universidade Livre de Berlim e de Hamburgo (Alemanha), e recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais na área do jornalismo e da literatura, dentre os quais: Prêmio Açorianos 2001, na categoria Crônica, pelo livro A Companhia da Solidão; o Prêmio Açorianos 2003, categoria Crônica, por Tratado das Tentações; o Prêmio Erico Verissimo, um Norton, um da Sociedad Interamericana de Prensa, um prêmio Kronika, e o título de Cavaleiro das Artes e das Letras da República Francesa. Possui o site Liberato Vieira da Cunha, escritor onde está postada toda a sua obra.

Liberato virou o milênio à frente do Jornal do Povo, veículo do grupo empresarial Planeta Arroz, do mercado gaúcho de agronegócio, que publica a revista e o portal com o mesmo nome, especializada no setor orizícola e tiragem superior a nove mil exemplares em todo o Brasil.

O JP se dedica ao noticiário de Cachoeira do Sul e região.  O grupo possui ainda a Gráfica Jacuí, a Dados Pesquisas e Estatísticas e a Revista Linda do segmento de moda e mulher. 

O jornalista e escritor se diz “um grande sonhador, um apaixonado pelas artes e um homem com grande apetite pela vida”.

 

 

 

Atualizado em setembro/2013 – Portal dos Jornalistas

Fontes:

http://primeiroano2012.blogspot.com.br/2011/08/liberato-vieira-da-cunha.html

http://www.liberatovieiradacunha.com.br/

http://www.mfrural.com.br/

http://www.revistalinda.com.br/index.php?area=conteudos&sub=expediente

http://www.lpm-editores.com.br/site/default.asp?TroncoID=805134&SecaoID=948848&SubsecaoID=0&Template=../livros/layout_autor.asp&AutorID=107

http://pedrolusodcarvalho.blogspot.com.br/2012/01/cronica-liberato-vieira-da-cunha-o.html

http://www.planetaarroz.com.br/flip/ed01/

Fiat_Institucional
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)