APOIO

PUBLICIDADE

Veiculação Prêmio CNHI WEBER SHANDWICK Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Moura Reis

Moura Reis

Diretor de Jornalismo da ABI, tem mais de 50 anos de estrada. Passou por alguns dos mais importantes veículos de comunicação do País, caso do jornal O Globo, onde atuou por muitos anos. Dirigiu, por último, a Redação do Diário do Comércio, de São Paulo, e, na sequência, foi editor do Diário de S.Paulo. Cinéfilo e crítico de Cinema, é autor de livro sobre o cineasta Ozualdo Candeias.

Antonio Epifânio Moura Reis nasceu em Oeiras (PI), em 1939. É irmão do jornalista, escritor e político Pedro Cláudio de Moura Reis (1942-2011).
 
Começou a carreira como repórter no jornal Unitário, de Fortaleza (CE), onde ficou de 1958 a 1960. Depois de dois anos, retomou-a no Correio de Minas, de Belo Horizonte (MG), onde trabalhou de 1962 a 1964 e, além da atividade de repórter, atuou como diagramador e iniciou-se como crítico de Cinema, aproveitando a sua ligação com o Centro de Estudos Cinematográficos de Minas Gerais (CEC). Foi um dos fundadores do jornal Claquete (MG) e da Revista do Cinema (MG), lançados à época.
 
Ainda em 1964 mudou-se para o Rio de Janeiro (RJ), para atuar como repórter de Política no Correio da Manhã. Em 1966 migrou para o Última Hora (RJ), onde ficou até 1968. Passou depois pela revista Manchete (RJ) e foi crítico de Cinema na Tribuna da Imprensa (RJ). 
 
Mudou-se, novamente, então para São Paulo (SP), trabalhando entre 1970 e 1972 na redação de O Estado de S.Paulo. Entre 1972 e 1980, atuou como chefe da sucursal paulistana de O Globo (RJ), voltando ao Rio para ocupar o cargo de editor de Política. Optando por morar em São Paulo, assumiu a Gerência de Comunicação da Corporação Bonfliglioli. Criou e dirigiu empresa de comunicação institucional, trabalhando simultaneamente como crítico de Cinema no Jornal da Tarde. Posteriormente, quando das primeiras eleições diretas para a Presidência da República após o período da ditadura militar, retomou o cargo de repórter de Política no Estadão, onde ficou até 1994.
 
Voltou a atuar na comunicação institucional integrando a área de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo, inicialmente como editor do jornal Serviço Público e depois como coordenador das Assessorias de Imprensa dos órgãos da administração direta do governo estadual. Retomou, posteriormente, a atividade de crítico de Cinema colaborando com a revista Vip.
 
Em 1996, tornou-se diretor executivo do Diário do Comércio (SP), cargo que ocupou até 1999, onde implantou projeto de reformulação editorial e gráfica. Foi editor de Suplementos e Cadernos Especiais e crítico de Cinema do Diário de S.Paulo de 2001 a 2008.
 
Lançou o livro Ozualdo Candeias: Pedras e sonhos no Cineboca (Imprensa Oficial, 2010), retratando o mais marginal dos cineastas da Boca do Lixo paulistana, dono de apurado censo estético, aclamado pela crítica e estigmatizado pela censura. Foi membro atuante do Movimento Cine Belas Artes (MBA), que reuniu frequentadores e admiradores do espaço cultural da Rua da Consolação, em São Paulo, fechado em março de 2011 e retomado em julho de 2014.
 
Fez parte da Chapa Vladimir Herzog, vitoriosa na eleição para a Diretoria Executiva da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) em 2014, comandada por Domingos Meirelles. É membro do Conselho Deliberativo e diretor da Seção São Paulo da entidade. Em fevereiro de 2017, foi eleito para o cargo de diretor de Jornalismo, passando a integrar a Diretoria Executiva da ABI.
 
 
Atualizado em março de 2017
 
Fontes:

Fiat_Institucional
Arama
Curso para Jornalistas
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)