APOIO

PUBLICIDADE

Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Ricardo Gallo

Ricardo Gallo

Editor de Conteúdo do portal G1, por quase 13 anos atuou no jornal Folha de S.Paulo. Especializou-se em Aviação Civil. Seu livro-reportagem Condenado à Morte está para ganhar versão no cinema.

Ricardo de Lira Gallo nasceu em São Paulo (SP) no dia 24 de novembro de 1979. Formado pela Universidade Braz Cubas, de Mogi das Cruzes (SP), iniciou a carreira como repórter em dois jornais da cidade, primeiramente no Diário de Mogi (SP), em seguida no Mogi News (SP).
 
Em dezembro de 2003, foi para a Folha de S.Paulo (SP), atuando nos primeiros dois anos como repórter de Cidades na regional de Ribeirão Preto (SP). Transferido para São Paulo (SP) em 2005, foi repórter de Geral, redator – entre 2006 e 2009 –, e repórter de Educação – entre 2009 e 2010 –, período em que escreveu para o caderno Fovest. A partir de 2010 passou a repórter do caderno Cotidiano, responsável pelas áreas de Comportamento, Aviação e assuntos relativos ao Judiciário.
 
Participou, entre 2008 e 2009, das reportagens que geraram os dez cadernos DNA Paulistano, publicados entre os dias 3 de agosto e 4 de outubro de 2008, transformados posteriormente em livro (Publifolha, 2009). A publicação traz tabelas e textos com informações sobre cada um dos distritos e regiões da cidade de São Paulo, além de ser a mais abrangente pesquisa de opinião sobre a relação dos paulistanos com a cidade.
 
Deixou a Folha em junho de 2016. Em setembro, começou no portal G1, como editor de Conteúdo.
 
Venceu três vezes o Prêmio Abear de Jornalismo, promovido pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas, na categoria Experiência de Voo: em 2013, com a matéria Tirada com celular, foto 'proibida' em avião vira hit na web; em 2014, com Que barulho é esse?, e em 2015 com Malas de aeroporto: Comissário revela os hábitos irritantes de passageiros, todas publicadas na Folha de S.Paulo.
 
É autor do livro Condenado à morte – A história do primeiro brasileiro a receber a pena capital e ser executado no exterior (Três Estrelas, 2015), sobre a vida de Marco Archer Cardoso Moreira (1961–2015), o brasileiro condenado por tráfico de drogas e executado na Indonésia, que deve ganhar versão para o cinema (veja entrevista com o autor em Galeria).
 
 
Atualizado em setembro de 2016
 
Fontes:
Jornalistas&Cia - Edição 1.019

Fiat_Institucional
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)