APOIO

PUBLICIDADE

Veiculação Prêmio CNHI WEBER SHANDWICK Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160

Home >> Perfil

Ziraldo

Ziraldo

Artista gráfico e escritor conhecido e respeitado nacional e internacionalmente. Entre os personagens que criou estão 'Jeremias, o bom', 'a Supermãe', 'o Mineirinho' e o 'Menino Maluquinho'. Foi um dos fundadores de O Pasquim

Ziraldo Alves Pinto nasceu em 24 de outubro de 1932, em Caratinga (MG). Conhecido apenas por Ziraldo, o nome que o consagrou foi uma combinação dos nomes de sua mãe, Zizinha, com o de seu pai, Geraldo: assim surgiu um nome único. Consagrou-se como um dos artistas gráficos mais conhecidos e respeitados nacional e internacionalmente. Ao longo dos anos desenvolveu várias facetas de seu talento. É também pintor, cartazista, jornalista, teatrólogo, chargista, caricaturista e escritor.
 
A carreira começou na revista Era Uma vez... No mesmo ano, 1954, foi para o jornal A Folha de Minas com uma página de humor. Anos antes, em 1939, o jornal havia sido o primeiro veículo a publicar um desenho seu, quando tinha apenas seis anos de idade.
 
Mudou-se para o Rio de Janeiro (RJ) aos 16 anos. Em 1957, publicou trabalhos na revista A Cigarra, e posteriormente em O Cruzeiro. Em 1963 começou a colaborar com o Jornal do Brasil, publicando diariamente uma tira de quadrinhos. Trabalhou ainda na revista Visão e Fairplay. Fez cartazes para inúmeros filmes do cinema brasileiro como Os Fuzis, Os Cafajestes, Selva Trágica e Os Mendigos.
 
No decorrer dos anos 60, seus cartuns e charges políticas começaram a aparecer na revista O Cruzeiro e no Jornal do Brasil. Lançou a primeira revista de histórias em quadrinhos brasileira feita por um só autor: A Turma do Pererê. Personagens como Jeremias, o bom, a Supermãe e, posteriormente, o Mineirinho tornaram-se popularíssimas.
 
Durante o período da ditadura militar (1964-1984), realizou um trabalho intenso de resistência contra a repressão. Fundou, junto com outros humoristas e jornalistas, o mais importante órgão de imprensa não-conformista da história brasileira, O Pasquim, em 1968.
 
No mesmo ano, teve reconhecido o seu talento internacionalmente, com a publicação de suas produções na revista Graphis, uma espécie de Panthon das artes gráficas. Teve ainda trabalhos publicados nas revistas internacionais Penthouse e Private Eye da Inglaterra, Plexus e Planete, da França e Mad, nos Estados Unidos. Já foi traduzido para diversos idiomas como francês, espanhol, alemão, inglês, italiano e basco. Sua arte está exposta em museus, representando do talento do humor brasileiro no mundo.
 
Um de seus livros infantis, Flicts, foi escolhido pela Embaixada dos Estados Unidos no Brasil para presentear os astronautas americanos que pisaram na lua pela primeira vez. No livro, conta-se a história de uma cor que não encontrava seu lugar no mundo. No livro, Ziraldo usou o máximo de cores e o mínimo de palavras. Em 2004, ganhou com ele o Prêmio Internacional Hans Christian Andersen.
 
No ano de 1969 grandes acontecimentos marcaram a vida do artista. Ganhou o Oscar Internacional de Humor no 32º Salão Internacional de Caricaturas de Bruxelas e o Prêmio Merghantealler, prêmio máximo da imprensa livre da América Latina, patrocinado pela Associação Internacional de Imprensa, recebido em Caracas, Venezuela. Foi convidado a desenhar o cartaz anual do Unicef, honraria concedida pela primeira vez a um artista latino.
 
A partir de 1979, passou a dedicar mais tempo a uma antiga paixão: escrever histórias para crianças. Em 1980 recebeu sua maior consagração como autor infantil, na Bienal do Livro de São Paulo, com o lançamento de O Menino Maluquinho. O livro se transformou no maior sucesso editorial da feira e ganhou o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro em São Paulo. O livro foi adaptado para o teatro, cinema e internet, além de inspirar uma ópera infantil. Já vendeu perto de três milhões de cópias.
 
Desde o ano de 2000, participa da Oficina do Texto, a maior iniciativa de coautoria de livros do Mundo: um milhão de diferentes obras editadas em coautoria com igual número de crianças, alunos de escolas de todo o Brasil.
 
A primeira longa entrevista de Dom Hélder Câmara sobre a ditadura foi comandada por Ziraldo no programa de entrevistas de fim-de-noite, na TV Bandeirantes. O programa durou apenas um ano.
 
Fez um mural para a inauguração do Canecão, casa noturna do Rio de Janeiro, numa parede mais de cento e oitenta metros quadrados. Esta obra foi reproduzida em várias revistas do mundo, mas encontra-se hoje escondida atrás de um painel de madeira.
 
Ilustrou o primeiro livro brasileiro com versão integral online, em uma iniciativa pioneira. Em 1999 criou de uma só vez duas revistas: Bundas e Palavra. A primeira, ao contrário do que o nome podia sugerir, era uma revista que tratava de assuntos sérios ligados à política. Por sua vez, a revista Palavra, marcada pelo requinte da produção gráfica e pela originalidade do conteúdo, se destinava a divulgar e discutir a arte.
 
Foi um dos fundadores da Banda de Ipanema, em 1964. No carnaval de 2003, foi tema da escola de samba paulistana Nenê de Vila Matilde e em 2012, tema da escola carioca Tradição.
 
Um dos pontos de vistas sempre repetidos por ele é que ler é mais importante do que estudar.
 
É pai da cineasta Daniela Thomas e do compositor Antonio Pinto.
 
Desde agosto de 2009, apresenta o programa dominical ABZ do Ziraldo, na TV Brasil, que é produzido pela FBL Criação e Produção e tem a direção de Dermeval Netto. Exibido ao meio dia, o programa busca incentivar o hábito da leitura. Conta com a participação de um coral infantil e de uma plateia interativa de crianças que estudam em escolas públicas.
 
A Bienal do Livro Rio em agosto de 2013 prestou homenagem ao Ziraldo. O cartunista presente em todas as Bienais foi destaque com seus personagens em uma área de 500m2 na cenografia assinada por Daniela Thomas e Felipe Tassara com o nome de Planeta Ziraldo.
 
Em novembro de 2014 tomou posse no Conselho Consultivo da ABI ao lado de Audálio Dantas e demais conselheiros. Assume também como diretor de Jornalismo da entidade Eduardo Ribeiro (Jornalistas&Cia). A nova diretoria é encabeçada por Domingos Meirelles, sede no Rio de Janeiro.
 
Em julho de 2015 o cartunista Ziraldo lançou cinco histórias inéditas em quadrinhos da Turma do Pererê. A iniciativa faz parte da campanha Consumo Consciente e deve alcançar cerca de cinco milhões de pessoas por semana em mais de 960 lojas em todo o país. O objetivo de alertar a população para o uso responsável de água e energia. Os quadrinhos inéditos serão publicados nos folhetos da Lojas Americanas em todo o Brasil e no site americanas.com 
 
 
Atualizado em julho/2015 - Portal dos Jornalistas
Fontes:
Folheto do II Salão Nacional do Jornalista Escritor/2012

Fiat_Institucional
Arama
Curso para Jornalistas
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)