APOIO

PUBLICIDADE

Veiculação Prêmio CNHI WEBER SHANDWICK Odebrecht
$('#fade').cycle();
6160
Portal dos Jornalistas

Memórias da Redação

    30.04.12 - Memórias da Redação - O dia em que Joãozinho conheceu Dr. Ulysses

    Radicado há quase 30 anos em Boa Vista, Plínio Vicente da Silva (ex-Estadão) conta a história de admiração de um cidadão roraimense pelo falecido deputado Ulysses Guimarães.

     

    O dia em que Joãozinho conheceu o Dr. Ulysses

    Quando cheguei em Roraima, em fevereiro de 1984, o território federal tinha como governador o general Arídio Martins de Magalhães, indicado pelo Ministério do Interior e nomeado pelo presidente da Republica. A polarização política se dividia entre o PDS e o PMDB. O primeiro abrigava a elite – políticos e empresários chapas-brancas e servidores públicos –, toda ela aliada de primeira hora do regime militar; do outro lado estavam aqueles que, por alguma razão, não encontravam espaço no grupo situacionista.

    Esse grupo do contra tinha em seu meio, como principais patrocinadores, alguns empresários pequenos que não conseguiam vender para o governo. A eles se juntavam advogados independentes em busca de uma causa, qualquer que fosse, e políticos excluídos dos quadros pedessistas. Havia também um grupo de jovens extremistas e barulhentos, filhos de famílias mais abastadas, vários deles estudando em centros mais adiantados.

    Entre os que faziam oposição ao grupo do brigadeiro Ottomar de Sousa Pinto, e também ao general Arídio Martins de Magalhães, governador indicado por Mário Andreazza e nomeado por João Figueiredo, chamou-me a atenção um sujeito baixinho, cabecinha redonda, careca já bem dominante, cara de quem era acionista das cervejarias. Tinha uma prosa solta, falava com certo conhecimento sobre muitos assuntos, mas era ainda mais eloquente quando a conversa girava em torno do Flamengo, do PMDB e de seu grande ídolo, o dr. Ulysses Silveira Guimarães. Sim, era assim que ele fazia questão de chamá-lo, pronunciando nome e sobrenomes.

    Quase sempre vestido com uma camisa do Mengão, nas primeiras vezes em que conversamos confidenciou-me que todos os meses separava uma parte do seu salário de assistente administrativo e enfiava o dinheiro numa garrafa PET, uma espécie de conta-poupança. Quando o domingo de um Fla-Flu se aproximava, ligava para um primo no Rio, pedia a compra do ingresso, rasgava o cofrinho, pegava um jato da Cruzeiro do Sul no sábado à noite e amanhecia na Guanabara. Assistia ao jogo, passava a noite de domingo e toda a segunda-feira comemorando a vitória ou amargando a derrota e à noite viajava de volta.

    Assim que me instalei como correspondente do Estadão, Joãozinho passou a ser meu consultor para todo tipo de assunto. Filho de antiga família de fazendeiros roraimenses, mas já em estado de decadência financeira, conhecia todo mundo e cada palmo do território. Sabia os nomes de todas as aldeias indígenas, quando haviam sido criadas, seu tamanho e localização e quem eram os tuxauas de cada maloca. Foi assim, com a sua ajuda, que construí uma agenda na qual estavam as melhores fontes; e foi assim também que em pouco tempo consegui fazer grandes matérias, muitas delas furos de reportagem que deram manchetes no velho Estadão.

    Um dia, precisando de informações sobre um garimpeiro, contrabandista e traficante, que as suspeitas indicavam ser amigo de um delegado da Policia Federal, levei Joãozinho Melo para uma cervejada no bar da Mangueirinha, às margens do rio Branco, no centro histórico de Boa Vista. Certamente teria boas informações sobre o cara, pois já os vira juntos em algumas oportunidades.

    Quando chegou, meu amigo se desculpou pelo atraso e justificou: tivera que passar na loja de decorações para apanhar um pôster do dr. Ulysses, que mandara emoldurar. Presente de um deputado federal, era um desses que decoram gabinetes, no qual o sujeito faz pose de estadista.

    Durante nossa conversa Joãozinho dividia o olhar entre o copo de cerveja e o quadro. O que me contou valeu matéria que levou à prisão do garimpeiro, já condenado por crimes cometidos em Bauru, no interior de São Paulo, e que integrava a lista de procurados da Interpol. Por sua vez, o delegado acabou réu em processo administrativo, indiciado em inquérito pela PF e exonerado. Mais tarde, considerado culpado pela Justiça Federal, foi condenado a cumprir pena alternativa: prestar durante um ano defesa gratuita a réus primários. Depois disso foi embora de Roraima e nunca mais o vi.

    Um dia, conversando com o pessoal da sucursal de Brasília, soube que o dr. Ulysses viria a Boa Vista pela primeira vez. Estávamos às vésperas das eleições de 1986 e empurrado pelo Plano Cruzado o PMDB de José Sarney estava surrando o PDS em quase todos os Estados. Tanto é que elegeu 22 governadores contra apenas um pedessista, o de Sergipe, Antonio Carlos Valadares (Nessa época não havia eleições diretas em Brasília e nos territórios federais e o Tocantins só nasceria com a promulgação da Constituição de 1988).

    Em Roraima a elite ainda era alinhada com os militares, daí os apelos para que ele viesse fortalecer o partido na capital macuxi. Foi assim que garantiu pelo menos uma das quatro vagas para deputado federal a que o território tinha direito no Congresso Nacional.

    Eu já conhecia Ulysses e não por conta da minha profissão. Quando do nosso primeiro encontro eu era empregado da Cia. Paulista. Meu falecido sogro, Sálvio de Campos, também ferroviário, fora amigo dele na juventude em Rio Claro. Sempre que coincidia o fato de ambos estarem na cidade, eles e mais um grupo de amigos da mesma época acabavam se encontrando.

    Numa dessas ocasiões fui a Rio Claro com minha noiva, Maria Salete, e mais a família dela para uma visita a parentes. Foi então que passei cerca de duas horas no encontro dos velhos amigos. Mais tarde, já jornalista, encontrei-o duas vezes, ambas em Brasília.

    Quando dei a notícia a Joãozinho Melo os olhinhos dele arregalaram, acompanhados de um sorriso franco de felicidade, seguidos de uma expressão de ansiedade: será que ele conseguiria um encontro com seu ídolo?

    No dia da chegada levei meu amigo ao hotel em que o dr. Ulysses se hospedou. Quando ele desceu do apartamento já no final da tarde e entrou no lobby, fiz questão de cumprimentá-lo. A segurança ia me barrando quando seus olhos claros fixaram-se em mim. Ele abriu um sorriso, veio ao meu encontro, me deu um abraço e perguntou: “E o meu amigo Sálvio, como ele está?”. Lamentou e contou que foram muito amigos, o que deu à nossa conversa a oportunidade que esperava.

    Antes que seus assessores o levassem, pedi-lhe um favor: fazer uma foto dele com um dos seus maiores fãs. Apresentei-lhe Joãozinho, cuja cabeça batia na barriga do então presidente da Câmara dos Deputados. Disparei minha velha Yashica três vezes e mais não fiz porque ele desapareceu no meio das centenas de pessoas que o aguardavam na porta do hotel. Mas o meu amigo não, ficou ali, arriado no sofá, olhando para a mão que cumprimentara o dr. Ulysses.

    À noite, no discurso que fez na avenida Venezuela, numa área entre os bairros Messejana e Liberdade, dois vultos se destacavam no palanque pela enorme diferença de tamanho: Ulysses Guimarães e João Melo.

    No dia seguinte chamei Joãozinho para uma cervejada no bar da Mangueirainha e entreguei a um sujeito ainda emocionado as fotos e os negativos. Não muito tempo depois ele me apresentou o novo pôster, aquele do dia em que ele conheceu o dr. Ulysses. E que ficou na parede da sala de sua casa até o dia em que, atacado por uma grave cirrose hepática, morreu, em 9 de dezembro de 1989.

    Por: Plínio Vicente da Silva
    Foto: Mario Cesar

Fiat_Institucional
Arama
Curso para Jornalistas
Newswire
OPN Eventos
MT Viagens
Mais Premiados
Comunique-se
Doe Agora (Abrinq)